quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Superstições

ALECRIM
O alecrim foi sempre um símbolo da franqueza, da boa-fé, e, também, da saudade. Em Inglaterra, a planta é colocada nos túmulos para que o morto descanse em paz. Para trazer sorte, o alecrim deve fazer parte dos ramos de flores que se oferecem. Nos casamentos, os acompanhantes dos noivos devem levar um ramo de alecrim nos bolsos para que o casamento seja feliz. Cultivar alecrim nos quintais contribui para afastar as bruxas e o mau-olhado. Nas lendas cristãs diz-se que a Virgem Maria, na fuga para o Egipto, descansou junto a um arbusto de alecrim (ou rosmaninho), o que deu à planta um carácter miraculoso. Diz-se também que trazer um rebento de alecrim na botoeira fortifica a memória, que as colheres feitas de madeira de alecrim dão bom sabor a todos os alimentos e que um pente feito da sua madeira faz crescer os cabelos.

BEIJO
O acto de beijar é símbolo de afecto, lealdade, paz, saudação e caridade (entre os cristãos). Desde a mais remota Antiguidade, o beijo significa união, concórdia, respeito, amor e, muitas vezes, submissão (recorde-se o beija-mão aos reis e aos senhores feudais). O beijo é, do ponto de vista das superstições, um amuleto de sorte: beija-se, por exemplo, uma carta que se envia à pessoa que se estima ou ama, beijam-se certos objectos para que nos dêem sorte (especialmente. nos jogos de azar). Mas o beijo dado pelas costas no pescoço não é aconselhável: era com esse beijo assassino que os Bórgias assinalavam as suas vítimas. Por outro lado, deve evitar-se o beijo no nariz: trará zangas entre o beijador e o beijado.

CRUZ
Sempre que dois objectos, ocasionalmente, formam una cruz, como, por exemplo, urna faca e um garfo pousados numa mesa é sinal de maus presságios. No entanto, traz felicidade: desenhar uma cruz na chaminé da casa porque protege de incêndios e de ternpestades; colocar uma cruz feita com palha por cima de urna colmeia origina melhor mel; faz-se o sinal da cruz para afastar o diabo; deve cruzar-se os dedos sempre que se passa por baixo de uma escada; cruzar as pernas por baixo da mesa dá sorte aos jogadores de cartas; no tempo frio, traçar, com a mão direita, uma cruz sobre os pés evita as frieiras; antes de cortar o pão deve desenhar-se uma cruz sobre ele com uma faca; deverão cruzar-se ramos nas portas e janelas para impedir que entre um inimigo. Jamais quatro pessoas devem cumprimentar-se cruzando as mãos entre si.

DANÇA
Desde os tempos antigos e em todas as civilizações conhecidas, a dança faz parte de rituais para afastar os maus espíritos e para invocação aos deuses dos desejos humanos, Os próprios locais onde se dançava eram considerados mágicos. De um modo geral, as danças rituais agrupavam-se em danças do amor, da morte, do casamento, das estações, das colheitas, do Carnaval, da guerra, da puberdade, da caça e macabras.

ESCADA
Na construção de uma escada tenha-se em conta o seu número de degraus: se for ímpar o seu possuidor terá sorte toda a vida. Mas se, ao subir-se ou descer-se uma escada, nos cruzamos com outra pessoa, dará a/ar, a não ser que uma pare e deixe passar a outra, em primeiro lugar. Outra superstição dúbia: se se tropeça ao descer, isso prenuncia uma morte (que pode bem ser do próprio se a queda for grande...). Mas se o tropeço for a subir, está para breve um casamento. A superstição mais divulgada em grande parte do mundo é, porém, a de que passar por baixo de uma escada traz infelicidade. Há imensas explicações para a crença. Acredita-se que a origem estará no cristianismo. Uma escada encostada à parede formaria um triângulo, símbolo da Santíssima Trindade. Ao passar-se pelo interior do triângulo estaria a violar-se o símbolo cristão.

FETICHE
Do latim facticius, que terá originado factício e feitiço, adaptado em francês para fétiche, que entrou como galicismo na nossa língua, facto artificialmente construído pelo qual se atribuem um objecto natural ou inanimado forças demoníacas, obviamente, sem relação com a psique humana. Na Africa negra, o fetiche é, normalmente, um objecto esculpido em função de gestos rituais e carregado de «força vital» que lhe é transmitida pelo feiticeiro da tribo. Qualquer objecto pode ser um fetiche, desde que se lhe dê poder de protecção: pedras brilhantes, pedaços de ouro ou outro metal, cornos, corais, roupas, um numero, uma escultura representando uma divindade, objectos de decoração, etc. Tal como se bate na madeira para conjurar um perigo, também se crê que tocando ou apertando nos dedos o fetiche assim se consegue afastar o que nos causa medo. Cada Fetiche é individual e está dotado de um poder específico e limitado: no amor, numa operação financeira, num desejo, contra os assaltantes, os assassinos, os animais ferozes. Como se depreende, podem ser naturais, frutos da magia ou ocasionais. A medalha de São Cristóvão, quando se crê no santo, é um dos fetiches mais divulgados entre os automobilistas. Na nave espacial que conduziu os primeiros astronautas à Lua ia um urso de peluche, fetiche de um engenheiro da NASA.

GARRAFA
Partir uma garrafa que esteja cheia é sinal de disputa; se está vazia indica um tempo de tristeza. Quem bebe o último conteúdo de uma garrafa corre o risco de se casar nesse ano.

HORTELÃ

Em grego, nunte ou niente, que quer dizer «a perfumada», já existia na época micénica. Uma bela ninfa do reino dos infernos chamou-se Minte. Plutão, o deus do Hades, apaixonou-se pela sua beleza e perfume. Perséfone (Prosérpina), a mulher dele, soube do romance e maltratou a jovem. Plutão, receando que a mulher a matasse, levou-a para o monte Trifilo e, para evitar perdê-la, metamorfoseou-a numa planta, a menta, perfumada e refrescante. Assim, a hortelã ficou como símbolo do ciúme. Por ser ao mesmo tempo, uma planta muito aromática era dada como consolação àqueles que perdiam o seu amor. Na Bretanha, se uma criança está doente, coloca-se junto dela um ramo de hortelã, pão e sal, durante nove dias seguidos.

IDADE
Dizer a verdade sobre a própria idade é ainda superstição — crê-se que, ao fazê-lo, estamos a diminuir o nosso tempo de vida (ou a afastar um amor...). Parece que há alguma tradição nesta atitude: outrora, cria-se que ao enumerar algo, os espíritos malignos se apoderavam dessa informação para influenciar o destino. Na China julga-se que, se um noivo é mais velho que a noiva, morrerá antes dela o número de anos de diferença. Mas se a noiva for mais velha que o futuro marido, isso ocasionará a miséria do casal.

JURA
Jurar em vão significa convocar os espíritos malignos o que obviamente acarreta desgraças.

LÁBIOS
Lábios grossos significam pessoa sábia e com espírito empreendedor. Lábios finos são sinal de pessoa apaixonadiça e com espírito. Lábios desiguais caracterizam pessoa indiferente e sem capacidade de tolerância. Sentir um formigueiro nos lábios pode ser sinal de que se vai receber um beijo de alguém.

MÃO
A mão é a parte do corpo com maior simbologia (na pintura rupestre. por exemplo, aparecem, frequentemente, perfis das mãos e dos dedos, o que pressupõe a sua utilização em rituais sacrificiais). A mão tem vários significados, negativos ou positivos e daí ser usada como amuleto (a «mãozinha»). Mão e poder são, em certas culturas, sinónimas: tocarem alguém com a mão pode ser um acto mágico e uma bênção; o aperto de mão significa amizade ou aceitação; as mãos erguidas são sinal de que se reza e com elas se fazem dezenas de gestos que representam sentimentos OU atitudes. Na iconografia cristã, Jesus é definido como «a mão direita de Deus». atribuindo-se a essa mão um sentido positivo e à mão esquerda sentido negativo por ligação ao demónio (ver Direita, esquerda), mas ter comichão nessa mão indica lucros nos negócios. Mãos gordas e tenras são sinal de pessoa ajuizada; curtas e grossas significam estupidez, mentira e cólera: mãos compridas e finas são de pessoa liberal e prestável (muitas outras significações contraditam estas no vasto leque de superstições sobre as mãos).

NARIZ
Comichão no nariz significa dinheiro a receber-se. Sangrar do nariz a uma sexta-feira é sinal de sorte. Se o nariz for comprido e grande o seu possuidor é pessoa vigorosa: se for curto, hipócrita: se pontiagudo. pessoa colérica; se chato, pessoa sem vergonha e fanfarrã.

OLHOS
Qualquer anomalia nos olhos de uma pessoa é considerada um mau presságio, por exemplo, olhos tortos ou vesgos (devia evitar-se fitar quem tivesse tal olhar porque trazia infelicidade, ou então cuspir imediatamente para o chão). Idêntica superstição se liga a quem possui os dois olhos de cor diferente. Ter comichão nos olhos é, normalmente, um bom agouro. Se se pisca, involuntariamente, o olho direito, é sinal de sorte, mas se for no olho esquerdo é o contrário. Nas populações rurais considerava-se que, para curar um terçolho, bastava fricciona-lo com um objecto de ouro. Há ainda, um pouco ao gosto de quem as emite, várias superstições sobre a personalidade das pessoas, segundo a cor dos seus olhos (olhos castanhos, pessoas leais, olhos azuis, pessoas frias, etc.).

PÊLO
O homem que tem muito pêlo no peito diz-se que conquistará muitas mulheres e o que tiver as costas da mão peludas terá muito dinheiro, Os
chineses afirmam que as mulheres inteligentes têm pêlos compridos e finos, as estúpidas não têm pêlos no corpo.

QUEIXO
Queixo grande e gordo – pessoa pacifica; queixo pontiagudo – pessoa perspicaz; queixo com covinha – pessoa teimosa; pessoa sem queixo – grande capacidade intelectual.

RIR
Rir, em certas regiões do campo, é mau agouro – o que ri estará «possesso». Aquele que ri com facilidade é uma pessoa simples e crédula, o que ri pouco é avaro, mas fiel e apaixonado; o que se contrai a rir é bom, generoso e amoroso. Diz-se que quem ri antes do pequeno-almoço chorará antes do anoitecer.

SOBRANCELHAS
As sobrancelhas espessas indicam pessoa teimosa. Se não pouco visíveis, diz-se que o possuidor é frágil e medroso. Se são muito juntas, revelam pessoa com sorte, mas ciumenta. Uma sobrancelha direita que treme é um bom sinal (se for esquerda, acontece ao contrário). Se se tem comichão nas sobrancelhas é porque se está com apetites eróticos.

TROVÃO
O trovão, segundo as crenças populares, é: obra do diabo, manifestação da zanga de Deus, bolas de pedras que rolam nos céus, etc. em certos locais, um trovão longínquo é um bom pressagio para se iniciar uma viagem. Qutra superstição garante que uma noite de trovoada é a melhor noite para se conceber um filho.

UNHA
É desaconselhável cortar as unhas nos meses com r (sabe-se lá porquê!). Noutras regiões essa «proibição» dizia respeito aos dias, o que, no caso português, se aplicaria a todos os dias, menos ao sábado e domingo. As manchas brancas nas unhas são bom pressagio (se foram azuis é prenuncio de desgraça). Os homens serão amados por tantas mulheres quantas as manchas negras que tenham nas unhas. Na primeira vez que uma mãe corta as unhas a um filho deve faze-lo com os dentes para evitar que ele venha a ser gatuno. Noutras tradições, as manchas brancas nas unhas significam pessoa mentirosa ou os anos que lhe restam de vida; se são negras prenunciam desgraças futuras; se são amareladas, morte próxima.

VIAGEM
É de mau agouro, quando se parte para uma viagem, voltarmo-nos para trás, o mesmo acontecendo se ficarmos à porta dizendo adeus aos que nos visitaram – corre-se o risco de nunca mais os vermos.

ZAROLHO
Pode trazer-nos dissabores vermos um zarolho a dormir. Crê-se que ele dorme só com um olho e com o outro está a avaliar-nos.
Retirado do livro "DICIONÁRIO DE SUPERSTIÇÕES" de Orlando Neves, editado em Fevereiro de 2005 pela noticias editorial.
Porque como dizem nuestros hermanos, não acredito em bruxas, mas que as há ... há.

1 comentário:

Tone disse...

No minimo engraçado e curioso.